30 dezembro 2011

A Educação e o Educacionista

Educacionista é o sujeito que acredita que a educação é o único meio capaz de mudar as pessoas. O educacionista dá a sua vida para que um maior número de pessoas possa ter educação de qualidade. Nesse sentido, empenha-se em multiplicar as informações, para que o seu próximo não precise se empenhar em coisas que pode pegar de terceiros, em conceitos já consolidados pela prática escolar.

Devemos acender luzes na base da pirâmide escolar. Tendo uma base firme, todo edifício será robusto. Observe as atitudes e os comportamentos de muitos políticos no mundo moderno. Eleitos para cuidar do bem público, acabam cuidando dos seus próprios bens. Até caírem por corrupção, usam a palavra, falam, esbravejam. Depois, saem de fininho, em silêncio. Faltou-lhes uma educação ética e moral.

Os diretores e professores das escolas do ensino fundamental têm em suas mãos a chave para mudar o mundo. É de lá que saírão os futuros especialistas e homens públicos. Hoje, somos a 7.ª economia do mundo, mas a 100.ª no ranking da educação. Há muito trabalho pela frente.
ver mais

11 novembro 2011

Greve de Estudantes da USP: Reclamando a Parte do meu Imposto

Estudante tem o direito de entrar em greve? Quem é o mais prejudicado? Por que os estudantes de escolas particulares não entram em greve? Estas três perguntas bastam para exercitarmos o nosso pensamento de cidadania.
Qual o dever do escolar? É assistir às aulas, tomar notas, estudar, passar de ano, pesquisar, formar-se numa profissão. Nesse caso, fazendo greve, o mais prejudicado é ele mesmo, desde que sua intenção seja a de se formar em uma profissão.
Ao se apropriarem e depredarem um bem público, eles nos lesaram em uma parte do imposto que todos nós pagamos. Quero o meu imposto de volta.
ver mais

Livro Impresso Versus E-readers

O surgimento dos meios eletrônicos, principalmente dos e-readers, com capacidade de carregar dentro de si uma biblioteca inteira, despertou a ideia de que o livro impresso iria se acabar, sendo substituído pelo e-reader. Isso, porém, não ocorreu, e o mercado do livro impresso continua mais pungente do que nunca. Há razões para tal fato.

1) Os e-readers são caros, comparativamente aos livros impressos. Além disso, deve ser trocado a cada 2 ou 3 anos, devido às novas tecnologias. O livro, em regra, dura muito mais tempo.

2) Os e-readers não podem ser molhados, não podem ser carregados para uma praia. Os livros podem suprir essas deficiência.

3) Os e-readers levam uma biblioteca dentro de si. Para que serve isso, se o seu proprietário não irá ler todos os livros armazenados?

Conclusão: os e-readers são meios, complementos aos livros impressos. Eles servem para fins de informação. Exemplo: consulta rápida numa viagem de avião. Para nos aprofundarmos em alguns assuntos, o livro impresso torna-se obrigatório.

Em síntese: a tecnologia dos e-readers vem para auxiliar, não para tomar o lugar do livro impresso.

Para mais informações, consulte O Futuro do Livro Impresso e as Editoras, por Plínio Martins Filho, no livro Revista do Núcleo de Estudo do Livro e da Edição.
ver mais

07 novembro 2011

A Propagação das Notícias

Na sua coluna de 06/11/2011, Ethevaldo Siqueira, fala-nos sobre a velocidade das informações, que cresce a cada momento.

Em se tratando da internet, a primeira interligação entre dois computadores ocorreu no dia 21 de novembro de 1961. A partir de 1991, trinta anos depois, já havia mais do que alguns milhares de usuários da web no mundo, a maioria dos quais era de acadêmicos e militares. A barreira do primeiro bilhão de usuários é quebrada em 2004. O segundo bilhão é ultrapassado em 2010.

O artigo completo está em:

http://blogs.estadao.com.br/ethevaldo-siqueira/2011/11/05/a-velocidade-das-noticias/
ver mais

06 novembro 2011

Ascensão dos Dispositivos Móveis

NFC, Near Field Communication, ou em português, Comunicação em Área Próxima. Esse é mais um novo recurso que está sendo incorporado aos celulares, a tecnologia que transformará seu celular em um cartão de crédito. Com ela, você poderá comprar bilhete de metrô e trem, pagar compras e até adquirir ingressos para shows, apenas usando o smartphone.

Para mais informações, entre em:

http://olhardigital.uol.com.br/produtos/central_de_videos/nfc_a_tecnologia_que_transformara_seu_celular_em_um_cartao_de_credito
No jornal O Estado de São Paulo, domingo, 6 de novembro de 2011, p. B17, há a seguinte reportagem: “Brasileiros levam pagamento móvel para a Nigéria”.
Para mais informações, clique em:
A explosão do celular
No mundo das comunicações, o recorde mais impressionante, entretanto, tem sido o do celular. Lançado comercialmente no início da década de 1980, ele alcançou o primeiro bilhão em 2001. O segundo bilhão, em 2004. O terceiro, em 2006. O quarto, em 2008. O quinto, em 2010. E, no final deste ano, serão 6 bilhões. Em 2018, o mundo deverá ter mais celulares do que habitantes.
Extraído de: http://blogs.estadao.com.br/ethevaldo-siqueira/2011/11/05/a-velocidade-das-noticias/
ver mais

Relatório Doing Business 2012

No relatório Doing Business 2012, divulgado pelo Banco Mundial, o Brasil ocupa a 126ª posição, em uma lista de 183 nações. Dentre os itens considerados, o pagamento de impostos fica no 150º lugar. A complexidade de impostos é o principal entrave para que o Brasil possa atrair mais negócios.
Para mais informações, entre em:
ver mais

04 novembro 2011

Os Encapuzados da USP

Onde a educação brasileira poderá chegar com seus “alunos encapuzados” (alguns), que depredam o patrimônio público? Realmente, dá o que pensar. Um lugar destinado a formar pesquisadores e divulgadores da ciência, para todos os cantos do mundo, vê-se manchado por um grupo de pessoas que escondem o seus rostos.
ver mais

31 outubro 2011

7 Bilhões de Pessoas

No dia 30 de outubro de 2011, o mundo registrou a criança que aumentou para 7 bilhões de pessoas a população do planeta Terra. Esse número mostra que já há superpopulação, principalmente na Índia, seguida pela China. No Brasil, há 190 milhões de pessoas. Para mais informações

ver mais

30 outubro 2011

Corrupção e Política Brasileira

A política, tal qual é articulada, na imensidão do nosso país, causa estranheza por parte dos cidadãos que pagam impostos e veem os recursos sendo drenados por todos os cantos, sem uma aplicação eficiente naquilo que mais eles precisam, ou seja, educação, saúde e segurança.

Marcos Cintra, no artigo Corrupção e Reforma Política, dá-nos algumas ideias para enfrentarmos esse problema, que já se tornou crônico.

ver mais

27 outubro 2011

Teoria dos Sentimentos Morais

Adam Smith, fundamentalmente otimista, publicou em 1759, a Teoria dos Sentimentos Morais em que, influenciado por Hutcheson, faz da simpatia o fundamento da moral.

Do ponto de vista filosófico, é a obra prima de Adam Smith. Nas suas quase 500 páginas, passa e repassa as ideias sobre a conveniência da ação, os problemas inerentes aos méritos e deméritos, as questões da gratidão e do ressentimento, os propósitos da conduta humana, o caráter da virtude, as noções de justiça, prudência e benevolência, entre outras.

ver mais

26 outubro 2011

Dinheiro é Riqueza?

Até o início da era moderna, a riqueza era definida como o conjunto dos bens materiais, tais como, casas e terras. Depois do incremento do comércio, a partir da Idade Média, o dinheiro assumiu o status de riqueza. Acumular dinheiro dá a sensação de que a pessoa é rica.

A verdade, porém, não é bem esta. Observe que o dinheiro, estritamente falando, nada mais é do que um meio troca. Em vez de usar sal, farinha ou mesmo o boi, as pessoas optaram pelo uso da moeda, pois ela facilita as transações de mercadorias e serviços dentro da sociedade.

Para demonstrar que o dinheiro não é riqueza, pensemos: O que faria um indivíduo, cheio de dinheiro, numa ilha, tal qual aconteceu com Robinson Crusoe que, em meados do século XVIII, se dirigia à America do Sul, mas o barco em que seguia naufragou ficando a viver numa ilha deserta? O que ele compraria, se não havia nada para trocar o dinheiro que levou? Para ele, o que seria riqueza? Talvez uma vara de pescar ou uma faca para preparar o seu peixe.
ver mais

A Desigualdade da Renda é Boa ou Má?

Tese: As rendas deveriam ser iguais se todos os homens fossem semelhantes.

Não é correto reivindicar que todos devam ter rendas iguais. Para explicar esse raciocínio, temos de nos valer da utilidade marginal da renda. Inicialmente, façamos a hipótese de que possamos atribuir números à utilidade da renda de cada pessoa. A utilidade marginal da renda é a mudança na utilidade total que resulta de uma mudança de unidade na renda. Suponhamos, também, que possamos somar as utilidades totais de diferentes indivíduos para obter uma utilidade total social para a sociedade toda.

Baseando-nos nos dizeres acima, a utilidade social chegaria a um máximo quando a utilidade marginal da renda de todos os indivíduos fosse igual. Igualdade de renda, contudo não implica igualdade da utilidade marginal da renda. Por quê? Porque cada um de nós faz um juízo de valor diferente para cada unidade de sua renda. É por isso que as rendas seriam iguais somente para pessoas semelhantes.

O argumento mais convincente a favor da desigualdade da renda é o de que não é o nível médio de realização que mede o valor de uma cultura, mas os níveis máximos que ela atinge. Dentro desse contexto, seria preferível uma sociedade que tivesse cabanas de pau-a-pique e catedral a uma outra que só tivesse cabanas de pedra. O problema das políticas econômicas é encontrar o grau ótimo de desigualdade. Parece-nos que a média justa, apregoada por Aristóteles, é a mais aconselhável.

Dando prosseguimento a este raciocínio, somente as sociedades ricas podem se dar ao luxo da igualdade. As sociedades em desenvolvimento precisam de um alto grau de desigualdade, em que os recursos possam ser aglomerados em mãos de poucos, para propiciar o desenvolvimento de longo prazo.

Fonte: BOULDING, K. E. Princípios de Política Econômica. São Paulo: Meste Jou, 1967, p.107 a 111.
ver mais

14 outubro 2011

Marcha contra a Corrupção

Pela segunda vez neste ano, manifestantes realizaram, em 12/10/2011, a marcha contra a corrupção, um movimento sem fins partidários.

Em Brasília, no ato contra a corrupção, com faixas, bandeiras do Brasil e caras pintadas, as pessoas caminharam do Museu da República até o Palácio do Planalto. Os pedidos foram desde a aplicação da Lei da Ficha Limpa nas eleições do ano que vem até a realização de concurso público.

Façamos um raciocínio utópico: se a corrupção fosse extirpada, quais seriam os recursos que poderiam ser alocados na educação e na saúde? Não deve ser muito pouco.
ver mais

29 junho 2011

Consumo Consciente

Num plano mais teórico, temos que diferenciar o consumo do puro consumismo, que é a ação desenfreada de comprar. No consumo, há apropriação e usos do produto. Para Marx, por exemplo, produção e consumo são a mesma coisa: é a partir do consumo que ocorre a nova produção. Lembremo-nos, também, de que as necessidades não são meramente fisiológicas, mas formadas no seio da sociedade. Em outras palavras, o consumidor não é um homem isolado.

Para mais informações sobre os hábitos de consumo conscientes, ouça a entrevista com Christian Travassos, economista da Fecomercio do Rio de Janeiro, em que discorre sobre a pesquisa mensal, que é feita há cinco anos, com mil pessoas acima de 16 anos, distribuídas pelas 5 regiões do Brasil. Segundo este economista, os hábitos de consumo conscientes têm diminuído. Saiba as razões.

http://cbn.globoradio.globo.com/programas/revista-cbn/2011/06/19/PESQUISA-APONTA-DIMINUICAO-DOS-HABITOS-DE-CONSUMO-CONSCIENTES-NOS-BRASILEIROS.htm
ver mais

22 junho 2011

A Ética de Alguns Frequentadores das Bibliotecas Públicas

Folheando o Dicionário de Filosofia da Cambridge, deparamo-nos com uma folha cortada com uma régua. A parte que ficou, do que foi cortado, tinha o título “Construtivismo Ético”. Pergunta-se: qual é a ética do prezado leitor?

Há pessoas que escondem livros debaixo de suas roupas. Outros tiram a senha do livro para que o sensor da portaria não apite.

Educar o indivíduo para a cidadania. Eis o trabalho hercúleo do Brasil. Como nos tornarmos um país de primeiro mundo se não respeitamos o patrimônio público?

ver mais

Marcha da Maconha

O governo liberou a “marcha da maconha”, desde que não se faça apologia à droga, ao vício. Um ouvinte de rádio, participando do debate sobre drogas, disse: Por que não fazemos também a marcha dos “sequelados”? Será que os que fazem a marcha para a liberação da maconha têm tempo de cuidar, como voluntários, das vítimas da droga, ou seja, daqueles que levam tiros e são obrigados a viver numa cadeira de roda, sob os cuidados da família, muitas vezes sem recursos financeiros?
ver mais

16 junho 2011

Curso de Educação Ambiental (Módulo I)


Educação ambiental é um ramo da educação cujo objetivo é a disseminação do conhecimento sobre o ambiente, com a intenção de ajudar em sua preservação e utilização sustentável dos seus recursos.

A educação ambiental tenta despertar em todos a consciência de que o ser humano é parte do meio ambiente. Ela tenta superar a visão antropocêntrica, que fez com que o homem se sentisse sempre o centro de tudo, esquecendo a importância da natureza, da qual é parte integrante.

São características da Educação Ambiental: Dinâmico e integrativo, transformador, participativo, abrangente, globalizador e permanente.
Os princípios da educação ambiental, o uso de recursos renováveis, a economia que se pode fazer com a água e a mudança de alguns hábitos que economizam energia são outros tópicos relevantes neste curso de educação ambiental.
Aprendemos, também, que:

Sustentabilidade concilia as necessidades econômicas, sociais e ambientais de modo a garantir seu atendimento por tempo indeterminado e a promover a inclusão social, o bem-estar econômico e a preservação dos recursos naturais”.

O Desenvolvimento Sustentável é aquele que “atende às necessidades do presente sem comprometer a possibilidade de gerações futuras atenderem às suas próprias necessidades” (World Commission on Environment and Development, 1987).



ver mais

13 junho 2011

Déficit Tecnológico Brasileiro

Em entrevista à Radio CBN, Roberto Nicolsky, diretor geral da Sociedade Brasileira Pró-Inovação Tecnológica (Protec), destaca os problemas da valorização irreal da moeda brasileira.

Diz-nos que a produção brasileira está menos competitiva, devido ao baixo valor do dólar. Por mais inovação, por mais que se agregue valor aos produtos brasileiros, esses produtos não conseguem competir com os produtos chineses, por exemplo, que tem a sua moeda desvalorizada em relação ao dólar.

Destaca, também, o descompasso entre o crescimento do mercado interno (em torno de 10%) contra o crescimento do PIB (5%). Para supri-lo, valemo-nos de produtos importados e da poupança externa. A poupança externa, porém, não vem para ficar, mas para especular, pois pagamos uma taxa de juros real em torno de 6%, enquanto nos outros países está em 2%.

Acrescenta: em termos da Balança Comercial, os dólares entram em função das exportações de produtos primários, como minério de ferro e soja. Não exportamos produtos que agregam valor. No longo prazo, isto se torna insustentável, principalmente se houver uma diminuição dessa demanda externa por produtos primários brasileiros.

Mais informações em:

ver mais

17 maio 2011

Nossa língua “Inculta”

Tese: Agora você pode falar de qualquer jeito. Nada está errado, mas adequado ou inadequado.

De acordo com o Ministério da Educação (MEC), o livro Por uma Vida Melhor (adotado pelo MEC), da Coleção Viver, Aprender, da professora Heloísa Ramos, publicado pela Editora Global, foi distribuído pelo Programa Nacional do Livro Didático para a Educação de Jovens e Adultos (PNLD-EJA) a 484.195 alunos de 4.236 escolas. São os impostos, recolhidos dos cidadãos, alocados de forma inadequada.

Para os autores deste livro, nós pega o peixe" ou "os menino pega o peixe", ainda que com seus erros gramaticais, é válido. A obra também lembra que, caso deixem a norma culta, os alunos podem sofrer "preconceito linguístico". Onde está o esforço para escrever corretamente o português, que será de grande utilidade para que o jovem consiga emprego de alta qualidade?

Diz um trecho do livro, publicado pela Editora Global: "Você pode estar se perguntando: "Mas eu posso falar "os livro"?" Claro que pode. Mas fique atento, porque, dependendo da situação, você corre o risco de ser vítima de preconceito linguístico. Muita gente diz o que se deve e o que não se deve falar e escrever, tomando as regras estabelecidas para a norma culta como padrão de correção de todas as formas linguísticas". O que estarão pensando os professores da língua portuguesa (os que realmente a amam). Será que foram consultados?


Correto e adequado. Em nota enviada pelo ministério, a autora Heloisa Ramos diz que "o importante é chamar a atenção para o fato de que a ideia de correto e incorreto no uso da língua deve ser substituída pela ideia de uso da língua adequado e inadequado, dependendo da situação comunicativa". Quando falamos, podemos cometer erros, pois a conversa coloquial dispensa as normas da língua culta. Quando escrevemos, não. Além do mais, a tentativa de escrever corretamente aprimora o nosso pensamento.

Para a procuradora da República Janice Ascari, do Ministério Público Federal, haverá ações na Justiça, pois os responsáveis pela edição e pela distribuição do livro “estão cometendo um crime” contra a educação brasileira. “Vocês estão cometendo um crime contra os nossos jovens, prestando um desserviço à educação já deficientíssima do país e desperdiçando dinheiro público com material que emburrece em vez de instruir. Essa conduta não cidadã é inadmissível, inconcebível e, certamente, sofrerá ações do Ministério Público”, protestou a procuradora da República em seu blog.

Para enfatizar o uso correto do nosso idioma, abrimos uma página: 


ver mais

16 maio 2011

Política Nacional de Resíduos Sólidos


A Política Nacional de Resíduos Sólidos (Lei 12.305/2010) foi sancionada, em 2010, pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, após duas décadas de tramitação no Congresso. A lei determina que todos os lixões do Brasil sejam fechados nos próximos três anos. Estabelece que os municípios destinem a aterros sanitários apenas os resíduos que não sejam passíveis de reaproveitamento, inclusive para compostagem, e transfere para o fabricante parte da responsabilidade pela coleta dos resíduos.

Brasil gera mais de 150 mil toneladas de resíduos sólidos urbanos diariamente – metade vai para lixões; 40% saem de cidades com mais de 500 mil habitantes.
Entre 55% e 60% em peso coletado hoje é matéria orgânica; na França são 23% e nos Estados Unidos, 12%.

Em 2009, aproximadamente 4% do lixo sólido orgânico urbano foi reciclado ou “compostado”.


98,2% das latas de alumínio são recicladas no Brasil; 80% do papelão e 55% do PET.


Extraído da Revista Unespciência. Abril de 2011, ano 2, número 18.
Para mais informações entre em: 



ver mais

31 março 2011

Perfil dos Investidores


Tipo
Di/
poupança
Títulos privados
Renda fixa atrelada à inflação
Fundos multi-mercados
Imóveis
Ações
Conservador
50%
30%
10%
10%
-
-
Moderado
25%
30%
20%
15%
5%
5%
Agressivo
10%
10%
10%
30%
20%
20%



Mais informações em: http://exame.abril.com.br/revista-exame/edicoes/0812/noticias/cesta-de-investimentos-m0054635

Cursos Online: Relação de Cursos 24 Horas
ver mais

Ações Favoritas para 2011

As Ações preferidas para 2011 são:
Cetip, Drogasil, Fleury, CSN, Usiminas, Vale, CCR, Lojas Renner, Lojas Americanas, PDG Realty, Banrisul e Gol.
ver mais

27 janeiro 2011

Voto Distrital

Eu assinei a petição sobre o voto distrital. Assine você também:

http://peticaopublica.com.br/
ver mais