04 novembro 2014

Pense como um Freak: Notas de Alguns Capítulos

Capítulo 1 - Que Significa Pensar como um Freak?

Pensar como um Freak é pensar sob um ângulo diferente, com outros músculos, outras expectativas; e não com medo nem favoritismo, nem otimismo cego nem ceticismo amargo.

Capítulo 2 - As Três Palavras mais Difíceis da Língua Inglesa

Uma das palavras mais difíceis de dizer é "Eu não sei". Por quê? Porque a maioria das pessoas coloca os interesses próprios em primeiro lugar. Nesse caso, o preço de dizer "Não sei" é mais alto do que estar errado. Um freak, traduzido por "aberração", quer dizer indivíduo que pensa pela própria cabeça, evitando seguir passivamente a maioria. 

Quanto tempo não se ganha dizendo simplesmente "eu não sei"? Um freak deve "Pensar sob um ângulo diferente, com outros músculos, outras expectativas; e não com medo nem favoritismo, nem otimismo cego nem ceticismo amargo". A maioria, contudo, prefere seguir o rebanho, aceitando passivamente o status quo, pois pensar pode desgastar os neurônios. 

Alguns pensamentos 

"Os problemas fáceis evaporam; os difíceis é que persistem."

"Poucas pessoas pensam mais de duas ou três por ano. Eu ganhei fama internacional pensando uma ou duas vezes por semana." (George Bernard Shaw)

"Todo mundo tem direito a suas próprias opiniões, mas não a seus próprios fatos." Daniel Patrick Moynihan

"Previsão é muito difícil, especialmente tratando-se do futuro." (Niels Bohr)

"Pessoas inteligentes gostam de fazer previsões que soem inteligentes, mesmo que possam estar erradas." 

"Não é porque você é muito bom em alguma coisa que será bom em tudo."

Ultracrepidanismo é o "hábito de dar opiniões e conselhos em questões alheias ao seu conhecimento ou competência".

"Muitas ideias obvias só são óbvias a posteriori, depois que se deu ao trabalho de investigá-las, para demonstrar que estavam certas (ou erradas)."

Capítulo 3 - Qual é o seu Problema? 


Tese: "Se a pergunta é errada, a solução também o será."

Qual a causa da baixa educação? As respostas são: tamanho das escolas, tamanho das turmas, estabilidade administrativa e capacitação dos professores.

Dentre as respostas acima, analisemos a capacitação dos professores. Um professor mais bem capacitado poderia aumentar a produtividade do ensino. Mas esta não é a resposta correta. Dever-se-ia acrescentar o quanto a criança aprende com os pais, a intensidade do trabalho que efetuam em casa e se os pais lhes incutem um gosto pela educação.

Exemplificando: na Finlândia, Cingapura e Coreia do Sul, os futuros professores são recrutados entre os melhores estudantes universitários, ao passo que nos Estados Unidos pela metade inferior de sua turma.

pergunta correta: por que as crianças americanas são menos educadas que as da Estônia ou da Polônia?

Quais são as causas da pobreza e fome? A resposta fácil seria falta de dinheiro e alimento. Por que persistem os mesmos problemas, depois de dar dinheiro? É que a pobreza é um sintoma, ou seja, ausência de uma economia funcional.

Amartya Sen, economista, diz que "A fome é o que caracteriza as pessoas que não têm alimentos suficientes para comer". "Não é o que caracteriza o fato de não haver alimentos suficientes."

Capítulo 6 Dando Doces a um Bebê


Tese: as pessoas reagem a incentivos.

O dinheiro é um dos principais incentivos: ele molda até a maneira como somos moldados por ele. Na China, uma pessoa atropelou uma criança; depois, passou novamente por cima dela, até vê-la morta. "Se ela estiver morta", explicava, "talvez eu pague apenas 20 mil iuanes" - o equivalente a cerca de 3.200 dólares. "Mas, se estiver ferida, isso poderá me custar centenas de  milhares de iuanes."

Em economia, há as preferências declaradas e as preferências reveladas, cuja defasagem pode ser muito grande entre elas. Por isso, não nos prendamos ao que dizem, mas ao que fazem.  

Se fizéssemos uma enquete para economizar energia, qual das alternativas abaixo sairia vencedora? 

1) Proteja o meio ambiente economizando energia.
2) Faça sua parte na economia de energia para as futuras gerações.
3) Economize dinheiro economizando energia.
4) Faça como seus vizinhos: economize energia. 

"faça como seus vizinhos" foi a vencedora. Os incentivos da mentalidade de rebanho levou a melhor sobre os incentivos moral, social e financeiro.  Se todo mundo ao seu redor acha que economizar energia é uma boa ideia - bem, talvez seja mesmo.

Por que alguém doa dinheiro para uma instituição de caridade?

Uma série de pesquisas acadêmicas apontavam dois motivos principais:

1) As pessoas são verdadeiramente altruístas, movidas pelo desejo da ajudar os outros.

2) A doação a instituições de caridade faz com que se sintam bem, reconciliadas consigo mesmas; os economistas falam, aqui, de "altruísmo de coração acalentado".

Mullaney não punha em dúvida esses dois fatores, mas achava que havia um terceiro, que não costumava ser mencionado.

3) Quando são convidados a doar, as pessoas se sentem sob pressão social tão forte que são compelidas a fazê-lo, muito embora desejassem na verdade que o pedido sequer tivesse sido feito.

Mark Twain dizia: "A melhor maneira de aumentar o número de lobos na América, coelhos na Austrália e cobras na Índia é pagar um prêmio pelas suas peles. É quando cada patriota passará a criá-los."

Por que será que certos incentivos, mesmo promovidos por pessoas inteligentes e bem-intencionadas, dão errado tão terrivelmente?

Enxergamos pelo menos três razões:

1) Nenhum indivíduo ou governo será jamais tão inteligente quanto as pessoas que andam por aí tramando para levar a melhor sobre um plano de incentivos.

2) É fácil imaginar como alterar o comportamento de pessoas que pensam com nós, mas aquelas cujo comportamento tentamos mudar muitas vezes não pensam com nós - e, assim, não reagem como poderíamos esperar.


3) Existe uma tendência a presumir que a maneira como as pessoas se comportam hoje será sempre a mesma. Mas a própria natureza de um incentivo parece indicar que, quando se altera uma regra, o mesmo o acontecerá com os comportamentos - embora não necessariamente, como vimos, na direção esperada.

Regras que nos direcionam pelo bom caminho:

1) Descubra o que realmente é importante para as pessoas, ignorando o que dizem que é importante.


2) Incentive-as nas dimensões que são valiosas para elas, mas que podem ser facilmente proporcionadas por você.

3) Preste atenção à maneira como reagem; se ficar surpreso ou frustrado com suas reações, trate de aprender com elas e experimente algo diferente.

4) Sempre que possível, crie incentivos que alterem a estrutura, de antagônica para cooperativa.

5) Nunca, em hipótese alguma, pense que as pessoas farão algo simplesmente porque é a coisa "certa".

6) Saiba que certas pessoas farão tudo que estiver ao seu alcance para manipular o sistema, encontrando maneiras de vencer que você jamais poderia imaginar. No mínimo para preservar sua própria sanidade mental, tente aplaudir sua engenhosidade, em vez de amaldiçoar sua cobiça.

Capítulo 8 - Como Convencer Pessoas que não Querem ser Convencidas


"Como convencer pessoas que não querem ser convencidas" é o título do capítulo 8, do livro "Pense como um Freak",  de Levitt e Dubner.

Quando nos deparamos com esse caso, eles recomendam que devemos sorrir e mudar de assunto: não há nada mais difícil do que convencer pessoas que não querem ser convencidas.

Eles propõem, entretanto, algumas maneiras de remediar a situação.

Quando a persuasão é extremamente difícil.

Acham que quando alguém está muito aferrado à própria opinião, será inevitavelmente difícil mudar sua forma de pensar.

Lembram-nos de que a opinião da outra pessoa deve estar baseada em ideologia e hábitos de pensar do tipo rebanho e não em fatos e lógica.

Daí, as frases: "Podemos ser cegos para o óbvio, e também para a nossa cegueira." (Daniel Kahneman, sábio em matéria comportamental)

"É mais fácil pular de um avião - de preferência, de paraquedas - do que mudar de opinião." (Kareen Abdul-Jabbar, lendário jogador de basquete e filósofo)

Recomendam-nos guardar os insultos para nós mesmos.

Para tanto, explicam que pesquisas recentes mostram que as informações negativas "pesam mais no cérebro". No psiquismo humano, "o mau é mais forte que o bom". Dão o exemplo de os professores alemães terem maior probabilidade de se aposentar cedo que outros funcionários públicos. Dos muitos fatores analisados, como carga de trabalho, tamanho das turmas e interações dos professores com colegas, alunos e pais, pesou o fato de o professor ser verbalmente insultado pelos alunos.

Contar histórias tem um peso muito grande no convencimento.

Quando alguém não quer ser convencido, o melhor é contar uma história, pois a história tem o poder que vai além do óbvio. O conjunto é maior que a soma das partes, porque o indivíduo que ouve a história coloca-se dentro dela, possibilitando profunda ressonância.


Capítulo 9 - O Lado Bom de Desistir 


TESE: As vantagens de desistir na hora certa.

As três forças que impedem de o sujeito desistir:

1.ª) Desistir é revelar-se um covarde, um fujão, pessoa de pouco caráter;

2.ª) Conceito de custos irrecuperáveis. Tem-se a impressão que o dinheiro foi jogado fora;

3.ª) Focar custos concretos, sem dar muita atenção aos custos de oportunidade. Custo de oportunidade é o que poderíamos estar fazendo no lugar daquilo que estamos fazendo.

O fracasso não deve ser considerado como perda total. 

"Na medicina, na ciência, se alguém seguir um caminho que se revela sem saída, terá dado uma real contribuição, pois saberemos que não será mais preciso percorrer o mesmo caminho." (Michael Bloomberg, ex-prefeito de Nova York)

"É da própria natureza da invenção que a maioria das ideias não funcione." (Geoff Deane, diretor do laboratório da IV (Intellectual Ventures))

Os autores criaram um site, chamado Freakonomics Experiments, para que as pessoas entregassem os seus destinos nas mãos deles. 

ESTÁ COM ALGUM PROBLEMA?

Às vezes você enfrenta decisões importantes na vida e não sabe o que fazer. Já estudou a questão sob todos os ângulos. Mas, qualquer que seja a perspectiva, nenhuma decisão parece acertada. 

No fim, qualquer que seja a escolha feita, será basicamente como ter jogado uma moeda para o alto.

Ajude-nos a fazer com que o Freakonomics Experiments jogue essa moeda para você. 

Exatamente: nós pedíamos que as pessoas nos deixassem decidir seu futuro jogando uma moeda para o alto. 

Em poucos meses, mais de 40.000 candidatos pediram para jogarmos a moeda para cima.

A capacidade de desistir está no cerne da possibilidade de pensar como um Freak. Se a palavra ainda assusta, substitua por "desapegar".

Fonte de Consulta

LEVITT, Steven D. e DUBNER, Stephen J. Pense como um Freak. Tradução de Clóvis Marques. Rio de Janeiro: Record, 2014. 







Um comentário:

Anônimo disse...

valeu pelo resumo