24 novembro 2015

Gustavo Franco no Roda Viva de 23/11/2015



O economista Gustavo Franco participou do Roda Viva de 23/11/2015. Para ele, o grande problema do Brasil não é a taxa de juros alta, mas a enorme dívida pública que se tem de administrar. 
ver mais

16 novembro 2015

Professor, Herói Nacional

O juiz Eliezer Siqueira de Sousa Junior, da 1ª Vara Cível e Criminal de Tobias Barreto, no interior do Sergipe, julgou improcedente um pedido de indenização que um aluno pleiteava contra o professor que tomou seu celular em sala de aula.
De acordo com os autos, o educador tomou o celular do aluno, pois este estava ouvindo música com os fones de ouvido durante a aula.
O estudante foi representado por sua mãe, que pleiteou reparação por danos morais diante do “sentimento de impotência, revolta, além de um enorme desgaste físico e emocional”.
Na negativa, o juiz afirmou que “o professor é o indivíduo vocacionado a tirar outro indivíduo das trevas da ignorância, da escuridão, para as luzes do conhecimento, dignificando-o como pessoa que pensa e existe“.
O magistrado se solidarizou com o professor e disse que “ensinar era um sacerdócio e uma recompensa. Hoje, parece um carma“.
Eliezer Siqueira ainda considerou que o aluno descumpriu uma norma do Conselho Municipal de Educação, que impede a utilização de celular durante o horário de aula, além de desobedecer, reiteradamente, o comando do professor.
Ainda considerou que não houve abalo moral, já que o estudante não utiliza o celular para trabalhar, estudar ou qualquer outra atividade edificante.
E declarou:
Julgar procedente esta demanda, é desferir uma bofetada na reserva moral e educacional deste país, privilegiando a alienação e a contra educação, as novelas, os realitys shows, a ostentação, o ‘bullying intelectivo’, o ócio improdutivo, enfim, toda a massa intelectivamente improdutiva que vem assolando os lares do país, fazendo as vezes de educadores, ensinando falsos valores e implodindo a educação brasileira“.
Por fim, o juiz ainda faz uma homenagem ao professor.
No país que virou as costas para a Educação e que faz apologia ao hedonismo inconsequente, através de tantos expedientes alienantes, reverencio o verdadeiro HEROI NACIONAL, que enfrenta todas as intempéries para exercer seu ‘múnus’ com altivez de caráter e senso sacerdotal: o Professor.
ver mais

11 novembro 2015

Rent Seeking

Leonardo J. F. Neiva, mestrando e professor de Direito, publicou um artigo no site do Instituto liberal sobre o rent seeking e a raiz da corrupção no Brasil. Queremos, aqui, registrar algumas informações sobre o significado deste termo:

Rent seeking significa "busca por privilégios especiais". De acordo com Tullock, rent seeking é o "uso de recursos reais com o fim de gerar renda econômica para as pessoas, sendo que as próprias rendas econômicas provém de alguma atividade que tem valor social negativo". Quer dizer, alguém investe recursos financeiros para conseguir para si uma transferência de renda, em prejuízo do restante da sociedade. Como se opera? Através da concessão de benefícios fiscais, monopólios privados, restrições de concorrência, pagamento de subsídios etc. 

O rent seeking é realizado por "grupos de interesse" e aparece disfarçado sobre argumentos vários: “defesa do interesse nacional”, “promoção do desenvolvimento econômico”, “promoção da igualdade” etc.

Exemplo: 1) um grupo de montadoras de automóveis que se junta para pagar propina no intuito de obter a expedição de uma medida provisória que lhes conceda benefício fiscal; 2) Empresas investem recursos para conseguir junto ao BNDES empréstimos a juros muito inferiores aos praticados no mercado.

O malefício do rent seeking é claro: perda da eficiência da economia, ou seja, menos produtividade e menos tecnologia.

Os danos indiretos: A maior parte das pessoas inteligentes e empreendedoras da sociedade é recrutada para uma atividade que não contribui para o produto social, ou que pode ter um produto social negativo.

Leia o texto completo em: 



ver mais

10 novembro 2015

João Amoedo, do Partido Novo, na TVeja


João Dionisio Amoedo, presidente e fundador do Partido Novo, recém-aprovado pelo Tribunal Superior Eleitoral, propõe privatizar grandes estatais como Petrobras e Banco do Brasil e aposta na valorização das liberdades individuais. 


Este partido foi criado em 2010 e demorou 5 anos para ser aprovado no Tribunal Superior Eleitoral. Nesta entrevista, defende a diminuição do Estado, deixando para este somente as principais áreas: saúde, segurança pública e educação. 


Acha que a prática de distribuição de recursos para os partidos (fundo partidário) é nefasta e que usará este recurso para fazer campanha contra o fundo. 

Assista aos vídeos

http://veja.abril.com.br/multimidia/video/o-que-tem-de-novo-o-partido-novo

http://veja.abril.com.br/multimidia/video/vamos-usar-o-fundo-partidario-para-fazer-campanha-contra-o-fundo-diz-presidente-do-partido-novo

Endereço do Partido Novo: http://novo.org.br/



ver mais

04 novembro 2015

Programas Sociais: Altruísmo Eficiente

William MacAskill, professor da Oxford e autor de um estudo que comprova que nem todos os programas sociais são eficientes, concedeu uma entrevista à Veja. Nela expõe suas dúvidas sobre o poder do marketing nas doações de recursos para a caridade. 

No ano passado, foi contrário ao "desafio do balde de gelo", em que mais de 17 milhões de pessoas convocavam conhecidos para que se autoinfligissem um banho de água fria ou doassem dinheiro a pesquisas sobre a esclerose lateral amiotrófica. Acha que o dinheiro seria muito mais bem aproveitado se fosse destinado ao combate da malária em países pobres. Esforça-se por difundir a ideia de que o ser humano não deveria agir por afeto, impulso ou boa vontade, mas com base em estudos científicos, o "altruísmo científico". 
Segundo William MacAskill, a erradicação da pobreza deveria ser a única para as doações monetárias. "Quando as pessoas agem movidas pela culpa, não se importam com o destino da doação. Para elas, isso equivale a entrar em um shopping center e comprar alguma coisa apenas para sentir melhor". 

Sobre a efetividade da ajuda, cita o fenômeno da "licença moral" descoberta pelos psicólogos, em que as pessoas compensam a boa ação por uma contrária. "Um experimento com pessoas que compraram produtos "verdes", que não agridem o meio ambiente, revelou que, após adquirirem esses itens, elas se mostravam mais propensas a mentir e até a furtar dinheiro. 

Há necessidade de não sermos movidos apenas pelo sentimento de culpa, mas que saibamos apreciar se o dinheiro doado a uma causa está realmente atendendo à causa e que ela seja a melhor possível, a mais bem gerida. 

William MacAskill é autor do livro "Doing Good Better".

Fonte: Revista Veja de 4 de novembro de 2015. 




ver mais

03 novembro 2015

Fernando Holiday, do MBL, Discursa na Câmara



Fernando Holiday pede um Brasil livre das garras do Estado.
ver mais