03 maio 2016

Armínio Fraga no Roda Viva de 02/05/2016





Arminio Fraga é formado em economia pela PUC do Rio de Janeiro e doutor pela Universidade de Princeton.

Atividades: dirigiu o Departamentos de Assuntos Internacionais do Banco Central de julho de 1991 a novembro de 1992, durante o governo Fernando Collor. Depois de vitoriosas experiências no exterior, presidiu o Banco Central entre 1999 e 2002, no segundo mandato de Fernando Henrique Cardoso. Hoje, comanda a Gávea Investimentos.

O debate girou em torno da grave crise econômica pela qual o Brasil está passando. 

Armínio Fraga disse: “As origens desta tragédia remetem ao final do governo Lula, quando houve uma mudança de direção no modelo de desenvolvimento, fechando a economia e criando um Estado agigantado, mal desenhado”. Ainda: “A ideia de que a opção se dá entre fazer ajustes ou ser feliz não existe”.

Segundo Fraga, a economia está “totalmente arrebentada” ─ mas a crise ficaria ainda mais aguda se Dilma Rousseff se livrasse do impeachment. “Espero que a população tenha sido inoculada contra o populismo”, ressalvou o ex-presidente do Banco Central. “É uma ilusão pensar que este modelo resolveria o problema de todos. O país precisa crescer para diminuir a desigualdade social”.

Entrevistadores: Alexa Salomão (Estadão), Ana Clara Costa (Época), André Lahóz (Exame), Sergio Lamucci (Valor) e Vinícius Torres Freire (Folha).


Nenhum comentário: