22 setembro 2016

Corrupção: Resumo de um Cordelista


Em poucas palavras, fez uma síntese de nosso momento político.
ver mais

16 setembro 2016

Dificuldade para se Eleger Bons Governantes

Friedrich Hayek, em seu livro O Caminho da Servidão, fornece-nos a razão pela qual a política é preenchida sempre pelas pessoas menos aptas à administração do Estado e do poder. Identifica três condicionantes que se correlacionam através do sistema político mais admirado da humanidade, a democracia.

1) Quanto maior o nível de instrução do ser humano, maiores serão as suas divergências sobre qualquer assunto. Hayek diz: “se quisermos encontrar um alto grau de uniformidade e semelhanças de pontos de vista, teremos de descer às camadas em que os padrões morais e intelectuais são inferiores e prevaleçam os instintos mais primitivos e comuns”. Isso quer dizer que é o menor denominador comum que elege um representante do povo.

2) O pretendente a líder terá necessariamente que conseguir o apoio dos “dóceis e dos simplórios, que não têm fortes convicções próprias, mas que estão prontos a aceitar um sistema de valores previamente elaborado, contando que este lhes seja apregoado com bastante estrépito e insistência”. Socialistas conquistam o poder com facilidade, porque suas ideias refletem a debilidade intelectual das massas. Isso torna quase impossível que alguém de ideias construtivas seja eleito.

3) Propensão a aceitar com muito mais facilidade programas negativos – “o ódio a um inimigo ou a inveja aos que estão em situação melhor” – do que um plano positivo, por exemplo, a potência individual. Destruir a riqueza em prol da eliminação da pobreza é muito mais fácil de ser assimilado do que conseguir as coisas com o esforço próprio. O "nós" contra "eles", o "branco" contra o "negro"e o "nacionalismo" contra o "estrangeirismo" é assimilável com tanta facilidade que parece estarmos diante de uma lavagem cerebral.

Fonte de Consulta

Instituto Liberal



ver mais

15 setembro 2016

Deltan Dallagnol, Procurador da República, Denuncia Lula

Deltan Dallagnol, procurador da República e coordenador da força-tarefa da Lava Jato em Curitiba, fez uma exposição das investigações do Ministério Público, que aponta o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva como “comandante máximo” do esquema criminoso descoberto pela operação.

De acordo com o procurador, o núcleo político estava acima de todos os outros no esquema operado na Petrobras. E Lula era o grande general. “No centro deste núcleo está o senhor Lula”. “Sem o poder de decisão de Lula esse esquema seria impossível”.

Para Dallagnol, não se trata mais do petrolão, mas de propinocracia, ou seja, o governo regido pela propina. O objetivo era a perpetuação do Partido dos Trabalhadores no poder. "Mensalão e petrolão são duas faces da mesma moeda”.

Leia a íntegra da exposição
ver mais

05 setembro 2016

Museu Memória do Jaçanã

Sylvio Bittencourt (foto de 01/09/2016) criou, em 1983, o Museu Memória do Jaçanã. Funciona em um terreno cedido pelo governo estadual, localizado na rua Benjamim Pereira, 1.021. 

Diz-se que a história do Jaçanã se confunde com a dos trilhos. A ferrovia começou a transportar passageiros em 1894, mas os tempos áureos só vieram no final da década de 1940.

"Era um trem de muita amizade, as pessoas se conheciam, começavam namoros lá dentro", conta Sylvio.

"O 'trem das onze' nunca existiu, era só para rimar. O último que chegava aqui saía entre 20h e 21h", diz seu Sylvio. A música foi lançada em 1964. Um ano depois, a ferrovia foi extinta.

Extraído da Folha (18/10/2015).

A Cinematográfica Maristela, em O Comprador de Fazendas, de 1951, exibe cenas da antiga estação do Jaçanã. 

As pessoas mais antigas do Jaçanã e adjacências têm lembrança de suas viagens neste trem, que tinha o ponto final (ou inicial) na estação do Tamanduateí. 

Vale a pena visitá-lo. 



Algumas fotos do Museu do Jaçanã


Vídeo contando a história do Jaçanã. 





ver mais