28 maio 2015

Razões do Impeachment, por Ives Granda Martins




 Ives Granda Martins foi o primeiro jurista a esclarecer a legalidade do pedido de Impeachment da presidente Dilma Rousseff
ver mais

23 maio 2015

Silas Malafaia Responde a Lula sobre o Diabo

Na quarta-feira (20/05/2015), em encontro com sindicalistas, Lula havia falado que, para os pastores evangélicos, tudo é culpa do diabo: se “você está desempregado, é o diabo, está doente é o diabo”. 

Eis as colocações do pastor Silas Malafaia.









ver mais

20 maio 2015

Google: um Mal Necessário?

FotoO Google é uma ferramenta de pesquisa, mas a divulgação de anúncios publicitários constitui a sua principal renda: em 2008, o Google ganhou 21 bilhões de dólares (97% da sua renda bruta) com a publicidade online.  O objetivo do Google é dominar a rede mundial de computadores (www). Fundada em 4 de setembro de 1998, Menlo Park, Califórnia, EUA, tornou-se, com o passar do tempo, a maior potência de guarda de documentos, arquivos e todas as bibliotecas do mundo. 

Antes de o Google surgir, a internet era caótica. Havia a interligação, mas não a indexação dos arquivos. O Google propôs algo inovador: dar uma resposta rápida e simples ao usuário, pois seus estudos mostravam que os usuários não suportam esperar muito tempo para obter uma resposta, como fora no começo da computação. Quando acessamos a tela inicial do Google e escrevemos algum termo de pesquisa, o Google aciona entre 700 e mil computadores distintos em seus centros de dados espalhados nos Estados Unidos. 

Por sua onisciência, onipotência e onipresença, o Google acaba ditando as normas da internet; onde entra, destrói ou desarticula o mercado. Observe, por exemplo, que 90% das pesquisas na internet são feitas através do Google. Com isso, eliminou outros sites de pesquisa. O Bing e o Yahoo ainda permanecem, mas são poucos os que acessam os seus dados. O Google acaba se tornando uma espécie de ditadura aceita pacificamente por todos os internautas. 

Siva Vaidhyanathan, autor de "A Googlelização de tudo", propõe-nos uma reflexão sobre os caminhos traçados pelo Google. Acha que nos devemos preocupar com "A ameaça do controle total da informação por meio da maior e mais bem-sucedida empresa do mundo virtual". E para enfatizar este pensamento, Jonathan Lethem, autor de best-sellers internacionais, diz: "Uma reflexão pública eloquente e crucial, como poucas vezes se vê, sobre um tema de implicações fundamentais para o nosso mundo".

Por que razão queremos que o nosso texto ou o nosso produto apareça na primeira página do Google? Isso acontece porque permitimos que o Google diga-nos o que é importante e relevante na rede mundial. Se algo é mais procurado do que outro é porque é importante. Acontece que as coisas realmente significativas não são fáceis nem baratas. Observe que o Google valoriza mais a popularidade que a exatidão e dá preferência aos sites já estabelecidos em detrimento dos novos. 

Reflitamos sobre essa proliferação da informação. Verifiquemos, em primeiro lugar, o que realmente é útil para o nosso progresso moral e espiritual? 

Fonte de Consulta

VAIDHYANATHAN, Siva. A Googlelização de tudo: E Por que Devemos nos Preocupar. Tradução de Jefferson Luiz Camargo. São Paulo: Cultrix, 2011. 




ver mais