12 dezembro 2018

Carta-Aberta ao Presidente Jair Bolsonaro

Saudações cordiais na manhã deste domingo lindo!

Tomo a liberdade de  escrever esta mensagem ao cidadão comum, meu compatriota, enquanto posso lhe falar sem as excelências que a presidência da República vai impor.
Primeiro declaro que meu candidato era outro. Daqui do meu canto eu não vislumbrei sua candidatura. Na verdade pouco me interessei pelos programas desta  campanha presidencial. Um país que  permite a existência de mais de trinta partidos políticos não merece respeito. 

À medida que a campanha tomava corpo, que os candidatos começaram  a vociferar, me chamou a atenção o discurso igual e feroz dos mais antigos, dos "velhos de guerra". Todos contra um. 

O churrasquinho da vez era Bolsonaro. E quem era esse tal de Bolsonaro tão inconveniente, tão perigoso, tão perverso, tão careta, tão desastrado nas suas aparições?

Por que todos desperdiçavam todo seu tempo de propaganda atacando o concorrente lanterninha?  Eu queria conhecer o plano de governo de cada um, mas cada um só queria malhar o Judas. O que eles temiam? 

Será que aquela gente burra não percebia que o bombardeio cerrado fortalecia sua candidatura? Que eles estavam dando tiro no próprio pé? Curiosa, lúcida,  politizada, anotei seu nome e número no meu caderninho. Jair Messias Bolsonaro n° 17

O que me fez assumir sua candidatura foi a facada. Aquela tentativa de homicídio feriu seu corpo e bateu fundo em mim, ferindo meus brios de cidadã libertária.

Os mandantes do crime pretendiam o quê? Os mandantes do crime temiam o quê?  Ah, não teve mandante deste crime , não? Você acha que um paspalhão debiloide como aquele, teria a ideia, a iniciativa, a ousadia de praticar aquele tresloucado ato no meio da multidão, se não tivesse de antemão a garantia dos quatro advogados de defesa? Conta outra, Zé! Aquela facada deixou claro que nosso país estava à beira de um colapso. Infelizmente o voto útil se impunha. Foi então que eu mudei meu voto

Você não me deve nada,   Jair Messias. Não me prometeu nada. Nem voto me pediu. Assim mesmo eu me dediquei a sua campanha com o melhor das minhas palavras, intensamente. 

Agora, eleito, licença para lhe apresentar minha pauta de sugestões.

1 - Abra a caixa-preta da Loteria Federal, do BNDES, das estatais, dos Fundos de Pensão, das autarquias, do legislativo, executivo e judiciário em todas as instâncias, dos acordos "caridosos" firmados com os "amigos do peito" dos governos petistas aqui e no exterior;

2 - Garanta a escola sem ideologia e sem religião, por favor;

3 - Priorize a ferrovia e a hidrovia;

4 - Humanize o tempo de carceragem,  responsabilizando  o apenado pela sua despesa. 700.000 presidiários são uma mão de obra
irrecusável para  modernização  do escoamento de nossas riquezas. O exército pode cuidar disto com competência.

5 - Recolha e cancele os cartões corporativos;

6 - Reduza as comitivas oficiais dentro e fora do Brasil. Para reforçar seu compromisso com a transparência e a responsabilidade fiscal,  faça uma visitinha  à Croácia, onde uma linda presidente surpreendeu a humanidade na Copa do Mundo, na Rússia. Vou abrir um parêntese aqui para elogiar a simplicidade do café com bolo servido na sua garagem para o representante de Trump. 50 milhões de brasileiros adultos se orgulharam de você, sabia, Jair? E 40 milhões morreram de inveja.

7 - Reduza pontos facultativos, feriados, feriados emendados,   lutos oficiais prolongados, dias santos... Com todo respeito pela religiosidade das pessoas, mas esta vagabundagem acaba prejudicando a indústria, o comércio, o agronegócio, o País como um todo. Alguém vai chiar, mas não se preocupe. A chiadeira faz parte do argumento dos folgados;

8 - Diga NÃO com brandura e firmeza.  NÃO é uma palavra poderosa. Pequena. E não dói;

9 - Não dê milho a bode.  
Não responda perguntas cretinas.

Eu sonho com um país próspero. Produtivo. Calmo. Com um presidente justo, austero e firme. Seja este mandatário. Seus eleitores votaram de graça, felizes. Eu nunca havia visto uma eleição assim,  e olhe que eu tenho 80 anos!

Desculpe se a conversa é comprida. Eu tinha que lhe falar estas coisas. Paro por aqui e prometo voltar a sua presença se for preciso.

Lembre-se: enquanto a caravana passa, os cães ladram. Haverá ladrido de cães. Não se intimide. Nós estaremos por perto.

Cuide-se.

Feliz NATAL!

Que a solenidade de posse seja um cartão- postal para o mundo. A certeza de um novo Brasil.

Feliz mandato!

Que os anjos digam AMÉM ao seu governo, "SE FOR PARA O BEM DE TODOS E FELICIDADE GERAL DA NAÇÃO!"

Atenciosamente,

Martha Azevedo Pannunzio, Fazenda Água Limpa (Uberlândia, 09/12/2018).

Extraído de http://www.alertatotal.net/2018/12/carta-aberta-para-jair-bolsonaro.html

11 dezembro 2018

Fascista e Nazista

"O indivíduo não é nada, a sociedade é tudo." (Maurice Barrès, romancista e político francês)

Nas eleições deste ano, as palavras "fascista", "nazista", "homofóbico", "ditador", entre outras, estavam na boca de muita gente. Será que as pessoas que se expressavam desta maneira sabiam exatamente o significado de cada uma dessas palavras? Vejamos apenas o fascismo e o nazismo.

O Fascismo prega a supremacia do Estado e a subordinação dos indivíduos aos propósitos nacionais. Os regimes fascistas promovem o desenvolvimento econômico e social identificado com as forças nacionais. Para que isso possa se concretizar, valem-se da força e supressão violenta da oposição política. Três exemplos de fascistas: Benito Mussolini (Itália), Adolfo Hitler (Alemanha) e Francisco Nero (Espanha).

O Nazismo, liderado por Adolfo Hitler, foi uma política de ditadura que governou a Alemanha entre 1933 e 1945. Foi marcado por seu preconceito e hostilidade contra o povo judeu. Além dos judeus, os nazistas também perseguiam, torturavam e matavam comunistas, negros, homossexuais e todas as pessoas que não se encaixavam na dita "raça ariana", que era considerada uma raça superior. Durante o Holocausto, em Campos de Concentração e de Trabalhos Forçados, morreram mais de seis milhões de judeus.

O advogado e escritor americano Michael Godwin (n. 1956) cunhou, em 1990, a lei de Godwin, em que comparações exageradas com os nazistas acabam banalizando os horrores por eles praticados, principalmente o Holocausto. Tudo começou na década de 1980, ao perceber essa realidade nas discussões da internet. Quando a discussão se tornava mais áspera, o fim era chamar o outro de nazista. Como chamar alguém de nazista, por qualquer motivo, é uma espécie de hipérbole inapropriada, decidiu divulgar a sua lei em vários fóruns on-line.

A sua lei foi divulgada por meio de "memes", sustentando que quanto mais uma discussão se estende na internet, ela acaba forçando o indivíduo a fazer uma comparação com Hitler. Os memes, cuja origem grega significa "cópias", são ideias, hábitos, habilidades, frases de efeito: qualquer coisa que sirva de cópia para outros passarem adiante, pela imitação.

Fonte de Consulta 

ARP, Robert (Editor). 1001 Ideias que Mudaram a Nossa Forma de Pensar. Tradução Andre Fiker, Ivo Korytowski, Bruno Alexander, Paulo Polzonoff Jr e Pedro Jorgensen. Rio de Janeiro: Sextante, 2014.

 

04 dezembro 2018

On-Line Off-Line

A informação não se limita apenas aos dados coletados. Esses dados devem ser coletados, organizados e trabalhados. Definamos, assim, a informação correta, em tempo hábil, e no local adequado. A informação pode ser obtida de modo on-line ou off-line. O problema da informação é que ela acaba sendo a principal meta de nossa vida. Há, porém, outras atividades relevantes como culto religioso, lazer e meditação.

Grande parte da humanidade anda muito conectada (on-line). Observe os passageiros dentro de um vagão do metrô: de cada dez, sete parecem estar com o celular à mão; consequentemente, a leitura de livros diminuiu substancialmente. Há uma ânsia de checar as amizades, as postagens no Facebook, no Twitter, entre outros. E quanto mais acessamos a internet mais monitorados somos por ela. Ainda: estão sempre nos oferecendo um novo aplicativo.

Há  uma busca incessante de fofocas, de novidades da vida do outro, de se preocupar por que tal amigo não respondeu ao nosso pedido, não comentou a nossa última postagem. Quer dizer, estamos olhando exageradamente o exterior, esquecendo-nos da máxima socrática: "Conhece-te a ti mesmo". Temos grande dificuldade de visitarmo-nos a nós mesmos. Nesse caso, o off-line fica em segundo plano.

Tenhamos em mente que o tempo é o único bem que levaremos conosco. Não nos perguntarão se fomos ricos, se tivemos muita mordomia, mas a maneira como usamos o tempo oferecido a cada um de nós. Assim, muito mais importante do que estarmos constantemente on-line é o que fazemos off-line. Em outras palavras, estamos cuidando dos nossos objetivos de vida ou buscando coisas que nada dizem ao nosso progresso material e espiritual?

Nessa relação entre on-line-off-line, não nos esqueçamos da concentração. Para que tenhamos bom êxito em nossas tarefas, necessitamos de concentração. Pergunta: estamos inteiros naquilo que estamos fazendo? O off-line deve prevalecer nesses momentos, porque a essência de nossa vida depende da maneira como a estamos construindo.

03 dezembro 2018

Link de Vídeos (Interessantes)

LE PLUS GRAND CABARET DU MONDE

Um programa de variedades exibido na TV France 2 comandado por Patrick Sébastien, apresenta um excelente espetáculo de marionete de Jordi Bertran. https://youtu.be/CcoPdIpYuhc