31 outubro 2016

Folha de São Paulo Faz um Resumo da Eleição 2016

No Brasil, as eleições para prefeitos terminaram em 30 de outubro de 2016. De acordo com a Folha de São Paulo,  “A eleição de 2016 transformou o PSDB no partido com a maior população governada no país neste século.

Com vitória em 28 das 92 cidades do país com mais de 200 mil eleitores, prefeitos tucanos vão administrar municípios que somam 23,7% da população brasileira”.


Fonte: Folha de São Paulo. 


Além de São Paulo, onde elegeu João Doria no primeiro turno, os tucanos venceram também em outras 2 das 10 cidades mais populosas do país: Manaus e Porto Alegre.

O PSDB terá no total 803 prefeitos. Em números absolutos de prefeituras, no entanto, permanece atrás do PMDB, que venceu em mais de mil municípios.

O PSDB vai ainda administrar as maiores receitas do país: serão R$ 158,5 bilhões anuais, somando as prefeituras conquistadas.

NAS CAPITAIS

O PSDB também será o partido que mais vai governar capitais a partir de 2017. Candidatos tucanos venceram em 7 das 26 capitais.

Partido do presidente Michel Temer, o PMDB será o segundo partido com mais dessas cidades: governará quatro. PSB e PDT, que eram os partidos com mais prefeitos nessas cidades, perderam espaço nesta eleição.

Hoje, governam cinco desses municípios. Agora, pedetistas governarão três cidades e o PSB caiu para duas.

A eleição também marcou as primeiras vitórias em capitais de pequenos partidos, como Rede, PMN e PHS.

As 26 capitais serão governadas por 13 partidos diferentes, uma fragmentação recorde. Atualmente, esses municípios são administrados por dez siglas.

Com a confirmação da derrota em Recife, o PT ficou com apenas uma capital (Rio Branco) —é a primeira vez desde a eleição de 1985 que o partido fica com apenas uma dessas cidades.

O segundo turno também foi de êxito total para os candidatos à reeleição.

Os oito prefeitos que tentavam renovar seus mandatos venceram nas capitais neste domingo. Vinte prefeitos dessas cidades concorreram neste ano e 5 acabaram derrotados já na primeira votação. Sete se reelegeram já no primeiro turno.

Ex-prefeitos que tentavam voltar ao cargo tiveram desempenho muito pior: 7 concorriam no segundo turno e 3 se elegeram, em Aracaju, Curitiba e Goiânia.

Quatro prefeitos eleitos são do mesmo partido que os governadores: São Paulo, Belém, Recife e Rio Branco.





ver mais

27 outubro 2016

ACM Neto nas "Páginas Amarelas" da Veja de 26/10/2016


"Não se deve discutir formas de governo, mas verificar se ele é bem administrado."

Reeleito em Salvador com quase 74% dos votos, o prefeito de Salvador, ACM Neto (DEM), 37 anos, um dos prefeitos mais bem votados do país, afirmou que a receita para uma gestão de sucesso é uma só: RESPONSABILIDADE FISCAL.

Acha que o êxito de sua gestão começa por um ajuste fiscal duro e pela melhoria do gasto público. O que fez? revisão de contratos, diminuição das despesas com terceirizados, redução dos cargos de confiança... Aumentou o IPTU, que estava desatualizado fazia dezenove anos, implantou um cadastro de inadimplentes, abriu o parcelamento de dívidas e realizou uma reforma tributária para potencializar a arrecadação. 

Em termos políticos, disse que o "projeto do PT na Bahia está se fadigando". “É um ciclo que começa a se encerrar. O PT não foi bom para a Bahia. Os governos Jaques Wagner e Rui Costa não aproveitaram o alinhamento com o governo federal para mudar a situação econômica e social do estado, ainda marcado por muita pobreza, desigualdade e falta de oportunidade. Eles perderam uma ocasião singular”.

Quanto ao seu partido, o DEM, defendeu: “O partido hoje é menor em tamanho, porém muito mais coeso em termos de atuação política e ideias. E identificado com os jovens. O Democratas chegou ao fundo do poço, bateu e começou a se reerguer”. “O que importa é que não conseguiram destruir o Democratas, como Lula [ex-presidente] pregou”.

Segundo o seu ponto de vista, o Brasil não é fortemente marcado por divisões ideológicas. A diferença sé dá entre o bom e o mau gestor, entre o que dá resultado e o que não dá, entre ter ou não compromisso com a palavra. 

Fonte: "Páginas Amarelas" da Veja de 26/10/2016.


ver mais

20 outubro 2016

Eric Cantor e a Política nos Estados Unidos


Eric Cantor, ex-líder do Partido Republicano na Câmara, foi o entrevistado das "Páginas Amarelas" da Veja de 12/10/2016. 

Anotamos apenas sua resposta à pergunta: como o senhor avalia as denúncias de corrupção no Brasil? 

Nos EUA, uma pessoa não entra na carreira pública pensando em ficar rica. Se fizer isso, vai para a cadeia. Você tem de esperar sair da vida pública para ganhar dinheiro. Isso tem de acontecer no Brasil. Senão não se constrói confiança. Servi na Câmara de Virgínia, que é a mais longeva instituição legislativa em funcionamento ininterrupto do mundo livre, talvez do hemisfério ocidental. Um membro do Legislativo de Virgínia tem sessões durante 45 dias nos anos ímpares e sessenta dias nos anos pares. Feito isso, o trabalho do legislador acaba. Sabe quanto ele recebe? Uns 17 000 dólares por ano. Algo muito abaixo da linha de pobreza no país (para uma família). Ou seja: você precisa trabalhar, o Legislativo não basta. Eu era advogado e estava no setor imobiliário. Todo mundo tem um emprego. 
ver mais

11 outubro 2016

Mendonça Filho, Ministro da Educação, no Roda Viva



O Roda Viva, de 10 de outubro de 2016, entrevistou o ministro da Educação, Mendonça Filho. José Mendonça Bezerra Filho, que assumiu o Ministério da Educação em maio deste ano, foi governador de Pernambuco em 2006 e vice-governador nas duas gestões de Jarbas Vasconcelos (1999–2002 e 2002–2006). Também assumiu como secretário de estado (1991–1993) e como deputado estadual. É graduado em administração com curso de gestão pública pela Kennedy School, escola de governo da Universidade de Harvard (EUA).



ver mais

06 outubro 2016

Reforma do Ensino Médio

"Antes de protestar, leia a proposta."

Maria Helena Guimarães de Castro, 70 anos, que ocupou o Ministério da Educação no governo FHC, e agora secretária executiva do ministro Mendonça Filho, a grande idealizadora da reforma do ensino médio, concede entrevista às "Páginas Amarelas" da Veja, em 5/10/2016.

A Reforma do Ensino Médio propõe a flexibilização de uma parte do tempo do jovem na escola. Baseando-se nas informações de que metade dos que ingressam no ensino médio não se forma e menos de 20% deles vão para a universidade, Maria Helena pensa que, para chegar à reta final do ensino médio, o aluno precisa ter interesse pela escola. A escola deve oferecer uma trilha com o qual o aluno se identifique: acadêmica ou técnica. Em três anos serão 1200 horas fixas e 1200 horas flexíveis, à escolha do estudante. Assemelha-se ao que acontece na Inglaterra, no Canadá e nos Estados Unidos.

Em sua entrevista, disse que a reforma do ensino médio não é uma ideia nova; vem sendo discutida há duas décadas. As pessoas reclamam porque mexe em vários vespeiros: corporações de professores temem perder direitos adquiridos; a indústria de preparação de jovens para o Enem se vê ameaçada; há também o fator político, pois engajar-se nesse processo pode perder votos. 

Detalhe importante: todo e qualquer passo dado em relação ao currículo obrigatório será definido depois de se ouvirem os melhores especialistas de cada área e os secretários de Educação. Ainda passará pelo crivo final do Conselho Nacional de Educação. O desfecho deve se dar no segundo semestre de 2018.

Esclarece que há quatro grandes áreas do conhecimento na LDB: linguagens, matemática, ciências humanas e da natureza. A experiência mundial mostra que, para contemplar todas elas, não é preciso necessariamente organizar o conteúdo em disciplinas divididas de modo tradicional. As únicas disciplinas que, já se sabe, persistirão pelos três anos são português, inglês e matemática. 

&&&&&

"Por motivos misteriosos, somos diferentes de todos os países que vale a pena considerar. Neles, na idade média, há muitas alternativas possíveis. Por exemplo, oferecem escolas diferentes. Na Alemanha, há quatro alternativas. Na França, há muitas, além da opção de dar ênfase a este ou àquele assunto. Nos Estados Unidos, há um único modelo de escola, mas os alunos têm entre 100 e 200 disciplinas para escolher e algumas são especializadas (por exemplo: em música ou ciências)". 

E no Brasil? Um modelo único de escola e um currículo igual para todos. Qual a probabilidade de o mundo inteiro estar errado e o Brasil certo? 

Trecho extraído de "Ensino Médio: Aleluia", de Cláudio de Moura Castro, publicado na Revista Veja de 19/10/2016, p. 82. 




ver mais

05 outubro 2016

Doutrinação Ideológica nas Escolas


Rogério Marinho, deputado pelo PSDB do Rio Grande do Norte, defendendo as crianças da pregação marxista nas escolas 
ver mais