11 dezembro 2018

Fascista e Nazista

"O indivíduo não é nada, a sociedade é tudo." (Maurice Barrès, romancista e político francês)

Nas eleições deste ano, as palavras "fascista", "nazista", "homofóbico", "ditador", entre outras, estavam na boca de muita gente. Será que as pessoas que se expressavam desta maneira sabiam exatamente o significado de cada uma dessas palavras? Vejamos apenas o fascismo e o nazismo.

O Fascismo prega a supremacia do Estado e a subordinação dos indivíduos aos propósitos nacionais. Os regimes fascistas promovem o desenvolvimento econômico e social identificado com as forças nacionais. Para que isso possa se concretizar, valem-se da força e supressão violenta da oposição política. Três exemplos de fascistas: Benito Mussolini (Itália), Adolfo Hitler (Alemanha) e Francisco Nero (Espanha).

O Nazismo, liderado por Adolfo Hitler, foi uma política de ditadura que governou a Alemanha entre 1933 e 1945. Foi marcado por seu preconceito e hostilidade contra o povo judeu. Além dos judeus, os nazistas também perseguiam, torturavam e matavam comunistas, negros, homossexuais e todas as pessoas que não se encaixavam na dita "raça ariana", que era considerada uma raça superior. Durante o Holocausto, em Campos de Concentração e de Trabalhos Forçados, morreram mais de seis milhões de judeus.

O advogado e escritor americano Michael Godwin (n. 1956) cunhou, em 1990, a lei de Godwin, em que comparações exageradas com os nazistas acabam banalizando os horrores por eles praticados, principalmente o Holocausto. Tudo começou na década de 1980, ao perceber essa realidade nas discussões da internet. Quando a discussão se tornava mais áspera, o fim era chamar o outro de nazista. Como chamar alguém de nazista, por qualquer motivo, é uma espécie de hipérbole inapropriada, decidiu divulgar a sua lei em vários fóruns on-line.

A sua lei foi divulgada por meio de "memes", sustentando que quanto mais uma discussão se estende na internet, ela acaba forçando o indivíduo a fazer uma comparação com Hitler. Os memes, cuja origem grega significa "cópias", são ideias, hábitos, habilidades, frases de efeito: qualquer coisa que sirva de cópia para outros passarem adiante, pela imitação.

Fonte de Consulta 

ARP, Robert (Editor). 1001 Ideias que Mudaram a Nossa Forma de Pensar. Tradução Andre Fiker, Ivo Korytowski, Bruno Alexander, Paulo Polzonoff Jr e Pedro Jorgensen. Rio de Janeiro: Sextante, 2014.

 

Nenhum comentário: